Homem processa pr*stituta porque esta não fez com que ele atingisse o orgasmo

Pois é, se pensam que o período de confinamento parou o negócio das atividades sexuais em Vizela, enganam-se. Um homem decidiu processar uma prostituta por ela ter “falhado completamente com os seus serviços”, devido a não ter feito com que ele “atingisse o orgasmo”. João Rocha, oriundo de Infias, explica que com o período de quarentena provocado pela COVID-19, decidiu utilizar uma app criada pelos programadores de Vizela para chamar uma prostituta ao domicílio.

Sentindo-se sozinho e isolado de toda a gente, João explica que ansiava realmente por estar com uma mulher e assim, recorreu à aplicação para resolver o assunto. No final, a desilusão foi notória e não só ele fez queixa da funcionária na própria aplicação como pretende mesmo agir judicialmente. Ele explicou a situação:

“Foi tudo péssimo. Tudo. Já tinha utilizado a app várias vezes mas desta vez correu tudo muito mal. O hálito dela foi das coisas mais repugnantes que eu já senti na minha vida. Só conseguia sentir uma mistura de café, tabaco e vergonha. Os dentes dela estavam meio podres e na verdade, ela nem tinha três da frente. Todo o ato sexual foi quase que uma obrigação, bem, para mim e para ela, e no final, ela não conseguiu sequer fazer-me chegar ao orgasmo. A Lucília fica então marcada como uma das piores funcionárias de Vizela e eu vou fazer tudo o que tiver ao meu alcance em termos legais para resolver esta situação”.

O que dizer?